tratamento-da-diabetes-entenda-o-que-o-endocrino-deve-acompanhar/
tratamento-da-diabetes-entenda-o-que-o-endocrino-deve-acompanhar

Tratamento da diabetes: entenda o que o endócrino deve acompanhar

tratamento-da-diabetes-entenda-o-que-o-endocrino-deve-acompanhar
tratamento-da-diabetes-entenda-o-que-o-endocrino-deve-acompanhar

 

Tratamento da diabetes: entenda o que o endócrino deve acompanhar

O tratamento da diabetes envolve uma série de cuidados que vão muito além do controle dos níveis de açúcar no sangue. Isso porque essa é uma doença do metabolismo, que impacta o funcionamento de todo o organismo, levando ao risco de complicações em outros órgãos.

Dessa maneira, é muito importante que o paciente seja acompanhado por um médico endocrinologista, que deverá cuidar da saúde geral do paciente. Um especialista, através de exames de rotina, poderá monitorar as especificidades da diabetes, seus riscos e problemas diretos e indiretos.

Os medicamentos para tratar o diabetes são varios e atuam d forma muit diferente. Só um profissional especialmente treinado é capaz de adequar cada uma das medicações para cada paciente.

Para entender o que o médico deve acompanhar, continue lendo este post!

O tratamento da diabetes pelo endocrinologista

O endocrinologista está apto a tratar condições complexas que afetam vários sistemas do corpo, como a diabetes. Além disso, foi treinado para diagnosticar os desequilíbrios hormonais e promover o tratamento em busca de reequilibrar o organismo.

Sua ação no tratamento da diabetes envolve o controle das taxas de açúcar, bem como o monitoramento de outros órgãos comumente afetados, como o sistema vascular, os rins, o coração e os olhos.

O médico deverá ainda, cuidar da saúde geral do paciente, orientando sobre a dieta e prática de exercícios, além de controlar a pressão e o peso, em cerca de 2 ou 3 consultas ao longo do ano. É muito comum que o homem com diabetes passe a apresentar diminuição dos hormonios masculinos com todas as consequencias desta falta e deve ser tratado!

Os riscos e as comorbidades mais comuns

Os maiores riscos da diabetes estão associados às comorbidades, como a hipertensão e doenças vasculares. A falta de controle dos índices glicêmicos por muitos anos leva a complicações vasculares em pequenos e/ou grandes vasos.

Lesões microvasculares são subjacentes a três das principais complicações da diabetes, sendo elas: retinopatia, nefropatia e neuropatia. Além disso, a cicatrização também é afetada, podendo uma pequena ruptura na pele evoluir para ulceração e infeccionar, especialmente nos membros inferiores.

Entre as doenças macrovasculares, destaca-se a aterosclerose de grandes vasos, que pode gerar eventos como infarto, angina e AVC.

Os exames de rotina do paciente diabético

Como vimos, as complicações da doença são muitas e atingem pontos diferentes no organismo. Desse modo, os exames de rotina devem checar o estado geral de saúde do paciente e também monitorar a eficácia do tratamento da patologia.

O monitoramento deve ser feito através de exames que verifiquem as taxas sanguíneas, como:

  • glicemia de jejum: detecta o nível imediato de glicose no sangue, deve ser pedido a cada consulta;
  • a glicemia 2 horas apos o inicio da refeição, que o parametro mais importante em se prevenir doenças coronarianas;
  • glicemia capilar: consiste no automonitoramento e deve ser feito em casa, cerca de 2 ou 3 vezes por semana;
  • teste da hemoglobina glicada: apresenta a média da glicemia nos três últimos meses;
  • teste da frutosamina: avalia o controle da glicose de duas a três semanas.

Além disso, devem ser pedidos aqueles que possam diagnosticar possíveis complicações:

  • exame de fundo de olho: para diagnóstico da retinopatia, glaucoma e catarata, prevenindo a cegueira diabética. Deve ser feito anualmente por um oftalmologista;
  • Perfil lipídico: acompanha os níveis de gordura e proteína transportadora de gordura no sangue (colesterol), sendo importante na prevenção das doenças cardiovasculares. Deve ser solicitado a cada consulta;
  • exame de urina para proteinúria e microalbuminúria: controle da função renal, também indicado a cada visita ao médico;
  • exame dos pés: avaliação das alterações de sensibilidade, dor e temperatura características da neuropatia periférica, o chamado pé diabético. Deve ser realizado uma vez ao ano.

Outros problemas que devem ser acompanhados

Pacientes com diabetes podem desenvolver outras alterações, sendo elas:

  • ulcerações, infecções e gangrena, no caso do pé diabético;
  • cataratas e glaucomas;
  • doenças hepatobiliares (esteatose hepática, cirrose, cálculos biliares e outras);
  • dificuldade de esvaziamento gástrico;
  • doenças dermatológicas (como a dermopatia diabética, vitiligo e granuloma anular);
  • doenças reumatológicas (infartos musculares e síndrome do túnel de carpo, por exemplo);
  • dificuldades motoras na bexiga comprometendo o ato de urinar;
  • depressão.
  • O acompanhamento da função tireoidiana, níveis de vitamina B12, niveis do colesterol plasmático para evitarmos as demências da idade que são mais comuns nos diabético. entre elas o alzeimer.
  • indicar e acompanhar o trabalho do fisioterapeuta para minimizar a perda muscular que é comum nestes pacientes.

Dada a complexidade da doença e suas complicações, o tratamento da diabetes é de extrema importância para a manutenção da saúde e qualidade de vida do paciente. Vale também mencionar que um acompanhamento multidisciplinar, liderado por um endocrinologista e complementado por outros profissionais, tem se mostrado muito eficiente.

Este artigo ajudou a esclarecer suas dúvidas sobre o tratamento da diabetes? Então assine a nossa newsletter e fique por dentro de mais assuntos sobre saúde!

Sobre o Autor

Deixe um comentário

START TYPING AND PRESS ENTER TO SEARCH